20.07
postado por: Natália Martins

daily mirror

Ed Sheeran tem memórias fantásticas de sua noite do Oscar este ano.

Foi um episódio tipicamente selvagem na vida recente do jovem cantor-compositor de Suffolk. Com bebidas, cheio de estrelas, surreal.

‘Eu estava numa festa em Hollywood, e a primeira pessoa com quem topei foi Paul McCartney,’ diz Sheeran, 23, se esparramando na cama num quarto de um estúdio de gravação no norte de Londres.

‘Nós ficamos conversando, mesmo que nesta situação você não sabe bem o que dizer, então fica só, “Hey cara, como você está? Quer ir beber? Sim, vamos pegar um drink.”

‘Nós fomos interrompidos e eu fiquei meio irritado… Aí eu olhei pra quem interrompeu, e era Prince. Então eu pensei, “OK, eu vou me afastar e aproveitar o fato de que estou entre Paul e Prince.”

Ele se inclina para frente na cama, avisando seu tema.

‘Mais tarde naquela noite eu tomei muitos coquetéis e estava sentado num banco perto da Pink, só balbuciando tipo: “Eu gosto muito da sua música, Pink!” Álcool definitivamente solta a língua – e os pés. Eu estava fazendo uns movimentos bem legais na pista de dança.’

Ele é um bom dançarino? O rosto de Sheeran – naturalmente impassivo, até quanto está animado – de repente se acaba em risadas.

‘Não, eu sou um dançarino bêbado!’

Sheeran terá de se acostumar em juntar fundos amadoramente na companhia dos ouvintes da lista A. Um trovador à moda antiga engenhosamente se atualizou para a era moderna, incorporando RAP e R&B em suas músicas acústicas sensíveis, o álbum de 2011 de Sheeran, +, pode ter tornado-o uma estrela, mas o seguinte, tornou-o em um fenômeno.

O título ‘X’, significando Multiply, descreve perfeitamente o estrondoso impacto que o disco teve.

Quatro semanas depois de seu lançamento, ‘X’ alcançou No. 1 em 12 países – incluindo o Reino Unido e os Estados Unidos – vendendo mais de um milhão de cópias mundialmente e tornando-se o álbum vendido mais rapidamente no período de uma semana de 2014 no Reino Unido.

Na primeira semana, foi gravado um recorde que tocou seis milhões de vezes no Spotify, enquanto seu principal, Sing, deu a Sheeran seu primeiro No. 1 no Reino Unido e também, o hit do verão.

Um hino irresistível e dançante com a estrela Pharrell Williams, Sing, foi ‘um salto maior do que qualquer outro que eu já tomei’, de acordo com Sheeran.

O risco compensou muito. Três anos antes, Sheeran estava lançando ele mesmo seus EPs. Em outubro, ele tocava quatro noites na O2 Arena com capacidade para 20,000 pessoas.

Sua música transcende gêneros; na semana passada, a Radio 1Xtra controversamente votou o musicista ruivo como ‘o mais influente da música negra e urbana’.

Com as conquistas de Sheeran e todos os recordes da semana, e com Pharrell, Taylor Swift, Selena Gomez, One Direction e Elton John na discagem rápida, festejar com um ex-Beatle não parece tão louco, afinal.

‘Eu sabia exatamente porquê estava lá,’ ele diz, lembrando dos Oscars.

‘Eu trabalhei pra c***. Independente de qual música é boa ou não, eu levei horas em cada uma.’

A vida de Sheeran está se movendo tão rápido, que dá trabalho para a Event se manter atualizada durante estes dias na companhia de Ed.

Quando nos falamos primeiramente, ele estava em Atlanta, conversando durante uma pausa de intermináveis promoções na rádio para ‘X’. Mais ou menos 12 horas mais tarde, nos encontramos no Rak Studios, com Sheeran voando no meio da noite para Londres para a entrevista, mas ainda parecendo renovado.

Quando eu o vi de novo, 24 horas depois, ele estava animando uma plateia de 80,000 pessoas num festival escocês, T in The Park.

O passo é frenético, mas entrar na órbita da maior sensação do pop de 2014 é uma experiência surpreendentement serena. No olho da tempestade, Sheeran exala um ar de eficiência silenciosa.

Ele é confiante sem ser convencido, educado sem ser puxa saco, inteligente mas não pretensioso. Ainda assim, Ed Sheeran não é nenhum santinho.

Por sua próprima admissão e entusiasmado consumidor de álcool – várias anedotas começam com ‘Vamos beber?’ – muitas músicas do X também se relacionam a seu amor por cannabis.

Ele recentement revelou que quando o diretor Peter Jackson o mandou uma mensagem, perguntando-o se ele queria escrever uma música para O Hobbit: A Desolação de Smaug (ele contribuiu com o etéro I See Fire), o cantor estava em Ibiza e tinha usado ecstazy pela primeira vez.

Ele falou sobre seus fãs serem meninas adolescentes normais – ‘Jenny de Stoke, ou Jasmine de Glasgow, são pessoas reais por todo o país’ – mas não vê conflitos entre ser visto como um exemplo e ter seu estilo de vida de farra.

‘Eu não estou tentando me rebelar, estou apenas fazendo o que qualquer um faria na minha idade. Qualquer coisa que eu falo nas minhas músicas não é algo estranho para alguém da minha idade fazer hoje em dia.’

‘Não é muito sobre tentação ou pressão, é sobre estar em situações e querer experenciar coisas novas, para então, mais tarde na vida, eu possa dizer: “Bem, eu fiz isso, fiz aquilo, gostei disso, aquilo não foi muito divertido”.’

Em uma nova faixa, The Man, ele faz rap sobre ‘Escrever meu testamento antes dos 27/Eu morrerei de emoções/Entrar para a história como um talento desperdiçado’.

Pressionado, ele – relutante e vagamente – admite que ocasionalmente se assusta por exagerar na bebida e nas drogas.

‘Houveram algumas vezes nas últimas semanas, mas não é algo regular. Acontece quando eu estou sob uma imensa quantidade de estresse e pressão, e as coisas se amontoam. Mas não é tão obscuro quanto as pessoas dizem ser. É educacional.’

Sheeran já colaborou com One Direction, co-escrevendo hits como Little Things, e se tornou bom amigo da banda, particularmente de Harry Styles.

O par pode frequentemente ser visto em festas e shows de moda com a modelo Cara Delevingne ou a cantora Rita Ora, enquanto Styles selou seu bromance com Ed comprando-o um Lego do Imperial Star Destroyer de Guerra nas Estrelas.

Mais cedo este ano, dois membros do 1D foram filmados aparentemente fumando cannabis no Peru, mas Sheeran chacoalha a cabeça com noção de que ele e Styles discutiram as pressões a fama e seus respectivos mecanismos.

‘Entende, esse é o lance,’ ele diz ‘Quando eu os vejo – a última vez que vi todos eles foi ano passado no VMA da MTV, mas eu vejo Harry bastante – eu não os aconselhei.’

‘Nós bebemos e nos divertimos. Sempre que os vejo, eles estão bem, mas há vezes onde eu não lido com as coisas muito bem e mascaro isso, e eu tenho certeza que eles também conseguem fazer isso.’

‘Eu não tenho nenhuma frustração que eles talvez tenham, porque eles tem de tomar decisões em cinco, enquanto eu sou meu próprio homem. Eles precisam atingir um equilíbrio.’

Voar sozinho tem outras vantagens. Sheeran não viaja com uma comitiva gigante, deixando-o livre para seguir seus caprichos, como passar na casa da amiga Courteney Cox de Friends em Los Angeles enquanto grava o ‘X’.

Seu produtor, Rick Rubin, costumava ser vizinho de Cox e logo Sheeran foi não-oficialmente adotado, se alojando na casa da piscina na ponta do jardim.

‘Com Courteney, você não precisa pedir muito,’ ele explica ‘Ela é uma garota do sul, puro Alabama, então ela é muito boa anfitriã. Ela é bem amigável e acolhedora, e quer ajudar todo mundo. Ela deixa as pessoas ficarem, cozinha o jantar, mostra interesse no que estão fazendo.’

‘Sempre que vou para LA, é lá que sempre fico.’

A declaração não é tão incongruente quando parece; Sheeran é um surfista de sofás experiente.

‘Eu acho que é por isso que não é tão estranho, pois eu faço isso em todo lugar, com pessoas de todas as classes da sociedade.’

Um resultado feliz foi Cox se juntando com o amigo e co-escritor de Sheeran, guitarrista do Snow Patrol, Johnny McDaid. Eles anunciaram noivado no mês passado, com Sheeran no papel de cupido.

‘Eu saio bastante – para conhecer pessoas, sair e trazer meus amigos para festas em casa.’

‘Esta era uma daquelas noites, e eu trouxe Johnny junto comigo e o apresentei. No final da noite, eu fui para casa e ele não.’ Ele sorri ‘Foi isso.’

A vida amorosa de Sheeran tem sido assunto de muitos rumores. Don’t, o segundo single de ‘X’ é um pesado conto de seu romance com uma cantora que o traiu com outro pop star.

Especulações iniciais sugeriram que era dirigida a Taylor Swift, de quem Sheeran tornou-se bem próximo depois que escreveram uma música juntos em 2012.

Swift, subsquentemente convidou Sheeran em sua RED Tour de 2013, mas ele insiste que eles nunca tiveram nada, a não ser amizade.

Na verdade, Sheeran recentemente tentou juntar Swift com a estrela de Hollywood Orlando Bloom, quem ele conheceu ano passado na premiere do segundo filme do Hobbit.

‘Ele é adorável, e eles vivem no mesmo prédio,’ ele disse, esperando que a mágia apresente-se sozinha eventualmente.

Além de Swift, Don’t pode ter sido escrita para Ellie Goulding, 27, a popstar inglesa com quem Sheeran namorou no verão passado, e há rumores de que o pivô da traição tenha sido Niall Horan.

Sheeran não gosta de citar nomes, e eu peço a ele para esclarecer logo as coisas.

Além disso, ele se mostra desconfortável, parecendo ansioso para evitar o assunto, mesmo que versos como ‘Eu nunca o vi como uma ameaça/Até que você desapareceu com ele…/Não é como se estivessemos os dois em turnê/Mas estávamos na mesma p*** de piso de hotel’ positivamente convidam suposições.

Ele suspira. ‘O fato é que, falar sobre isso muito detalhadamente, ofusca a música e a história, apesar de eu já saber que pessoas iam supor algo.’

‘A música foi escrita baseada em frustrações, e sim, é bem específica e direta, mas eu não quero pessoalidade.’

‘As melhores músicas vem do coração. Se fosse uma música ruim, eu provavelmente ficaria, “Talvez eu não devesse ter feito isso,” mas apesar de qualquer história por trás, eu acho que é uma boa música e é por isso que ela está no álbum.’

A evasão parece com uma confirmação. No T in The Park, Sheeran tocará diretamente depois de Goulding. Será que ele dirá ‘olá?’

‘Eu acho que sim. Eu acho.’

Sheeran está no momento namorando Athina Andrelos, 25, uma estilista gastronomica que trabalha para Jamie Oliver.

Ele tem grande interesse por sua linha de trabalho – ‘Eu gosto muito de comer’ – e adicionando que, quando Sheeran saiu para jantar com Oliver, ele acabou repreendendo o super-chef sobre sua campanha de melhorar a qualidade da comida nas escolas britânicas.

‘Eu lembro de estar muito p*** porque não tinham mais Wotsits em nossas máquinas automáticas. Eu falei para ele no jantar: “Por que você barrou Twixes da nossa escola? Eu tive que comer maçãs!”

Criado em Suffolk, centro comercial de Framlingham, Sheeran cresceu em um lar artístico.

Seu pai ensina arte e é um curador formado na Dulwich Pictur Gallery no sul de Londres, sua mãe faz bijuterias e seu irmão mais velho é um estudante de música clássica.

Eles são bem próximos como família, e claramente tem influência em Sheeran. Quando eu pergunto sobre suas preferências políticas e sendo criado como um católico, ele responde: ‘Meu pai disse, “Quando você entrar na indústria não fale de política ou religião,” então eu não farei isso.’

Creio que ele é incrivelmente teimoso.

‘Se eu digo que farei algo, eu farei,’ ele diz. ‘Minha decisão continua.’

Nada pontual, ele admite, se distrai fácil; eu relembro o fato de que ele estava atrasado para ambas de nossas entrevistas.

Sheeran partiu para Londres com 17 anos para perseguir seu sonho de se tornar músico. Por quatro anos ele liberava suas próprias músicas, fazia shows e dormia em sofás. Em um ano, ele fez 312 shows.

‘Musicamlente, eu sempre trabalhei muito duro,’ ele diz. ‘Na escola, eu não era bom, nunca ia bem. Então quando a música chegou, foi quando minha ética no trabalho apareceu.’

Mais cedo, ele adotou uma mutualmente respeitável relação com os fãs, que ainda existe.

‘Ser horrível leva mais tempo do que ser legal,’ ele diz.

‘Na verdade leva mais tempo para explicar para alguém porquê você não quer tirar uma foto com eles do que tirar a foto logo. É mais fácil ser legal.’

Essa decência inata é o coração da música de Sheeran. Ele nasceu para a fama cantando baladas acústicas sinceras sobre amizade, tristeza no amor e problemas sociais (seu hit The A Team falava sobre prostituição na adolescência e vício em drogas).

A combinação de músicas amorosas, letras emocionantes e humildade, conquistou uma grande fanbase de fãs mulheres adolescentes, e em 2011, as músicas de Sheeran estavam no iTunes charts e ele estava vendendo 1,000 ingressos para festivais em Londres ainda sem nenhuma gravadora.

No mesmo ano ele assinou com a Atlantic Records e foi escolhido pela empresa de gestão de Elton John, Rocket Music.

Até agora, John mantém o olho na carga, aparentemente clandestino enquanto as vendas de Sheeran não oficiais são liberadas.

‘Ele é bem controlador,’ Sheeran ri.

‘Ele me liga uma vez por semana. Ele vê todas as vendas através de dados de rádios e me liga: “Desceu 3% esta semana, mas na próxima nós temos um programa de TV que deve subir 15%” ele fica bem animado.’

Sheeran, por outro lado, parece levar tudo isso no tranco.

Apesar de estar ganhando vastas somas – ele foi estimado em £5 milhões em 2013, mas irá multiplicar este ano, assim como o nome de seu novo álbum – ele insiste que o dinheiro não comanda sua vida.

“Eu nunca fui consumista, porque eu passei 4 anos não tendo coisa alguma.”

‘Sou bom com dinheiro do ponto de vista de que não vou comprar besteiras.’

‘Eu compro casas [Sheeran tem uma fazenda em Framlingham, e uma casa em Londres que ele está renovando], eu pago a hipoteca das pessoas, eu comprei uma Range Rover para meu empresário de aniversário. Faço coisas desse tipo, que agora que estou nesta posição, é legal fazer, mas eu mesmo não tenho um carro.’

Isso não quer dizer que ele não fica de olho nas figuras. Ciente das controvérsias relacionadas a impostos que recentemente envolveram Gary Barlow e os Arctic Monkeys, Sheeran faz um sério contato visual e dá enfase em:

‘Eu pago meus impostos. Eu pago tudo. Sou certo quando se trata disso, 100%.’

Sua fortuna certamente não é totalmente desperdiçada em roupas.

Desde o começo, Sheeran cultivou uma imagem de mal-vestido, pois se vestia quase exclusivamente com moletons e camisetas, apesar de estar mais magro hoje em dia, com jeans escuros e uma camisa xadrez de botões abotoada nos pulsos, cobrindo uma extensa manga de tatuagens.

Ainda assim, seu cabelo ruivo é caracterisitcamente despenteado e sua barba natural, e ele bate em seu estômago enquanto brinca que a camisa esconde sua barriga. Se ele tem um pouco de pinta de popstar, ele parece gostar.

‘Eu sempre me vesti do jeito que queria, porque nunca vendi música baseada na minha imagem – o que eu creio ser algo positivo, pois significa que em 50 anos ainda posso estar fazendo isso.’

Ele está orgulhoso de que o jeito que ele se veste não compromete no jeito que ele se apresenta.

Ele reconhece que sua música não é para todos os gostos – ‘Sempre é debatida, algumas pessoas destestam’ – e sendo votado como mais influente na música negr a urbana, ele recebeu algumas críticas.

O rapper Wiley tweetou sua descrença: ‘Nós influenciamos um homem e de repente aparece que ele nos influenciou.’

Quando conversamos, Sheeran aponta que sua relação com a música black é muito mais antiga do que seu trabalho com Pharrell.

Em um antigo EP, ele colaborou com vários artistas negros.

Seu próximo álbum é com o rapper The Game e um coletivo britânico com Rudimental.

Ele enxerga as batidas R&B de Sing como uma progressão natural, e evidencia sua determinação para ver o quão longe ele pode empurrar sua música fora de seus padrões.

‘Foi por isso que assinei um contrato com uma gravadora e não continuei fazendo música independente, porque eu queria o máximo de pessoas possível ouvindo minhas músicas,’ ele diz.

‘Eu não me vejo como um desses artistas puristas que fazem música e vão viver em uma cabana na floresta. Eu faço música para ir em turnê, me divertir e ver pessoas cantando-as.’

Quando eu vi Sheeran depois, no dia seguinte, seu desejo era ser preenchido no T in The Park em Kinross.

Enquanto o sol se põe atrás das colinas, a plateia – dançando com os ombros, e braços soltos – cantam todas as palavras de Sing de volta para Ed.

Para o refrão super pegajoso, Sheeran pede para todos tirarem um item de roupa e rodarem ele no ar. A maior massa de corpos obedece.

Enquanto ele sai do palco para outro aeroporto, outro país e outro show, eles ainda estão cantando.

ALGUMAS DAS COISAS FAVORITAS DE ED:
Herói: Meu pai
Vilão: Joffrey de Game of Thrones
Filme: Goodfellas
Estrelas de cinema: Robert deNiro, Leonardo diCaprio
Livro: His Dark Materials por Phillip Pullman
Programa de TV: Game of Thrones
Peça/Musical: O Rei Leão
Poema: Jessica por Polarbear
Programa de Rádio: Zane Lowe
Acessório: iPhone
Time de futebol: Inglaterra (porque sou entediante)

Fonte: Dailymail UK

Tradução e Adaptação: Ed Sheeran Brasil

 

eDsHEERANBR.COM TODOS OS DIREITOS RESERVADOS DESIGN: Gustavo Franco CODIFICAÇÃO: DC DESIGN